PEDIDO DE DEMISSÃO POR COMUM ACORDO

PEDIDO DE DEMISSÃO POR COMUM ACORDO

PEDIDO DE DEMISSÃO POR COMUM ACORDO

A Lei 13.467/2017 inseriu o artigo 484-A a Consolidação das Leis do Trabalho, criando uma nova modalidade de rescisão contratual por comum acordo entre empregado e empregador.

Nesse tipo de rescisão o empregado terá direito a metade do aviso prévio e da indenização sobre o saldo do FGTS, limitando sua movimentação a 80% do valor, não permitindo o acesso ao seguro desemprego.

Ressalta-se que antes da lei, essa modalidade de “rescisão por acordo” na prática já ocorria, na medida em que o empregador concordava em demitir o empregado, pagando todas as verbas rescisórias devidas, inclusive a multa de 40%, possibilitando o saque do FGTS, e recebimento do seguro-desemprego, da mesma forma realizada na demissão sem justa causa.

Todavia, o empregado devolvia o montante correspondente à multa de 40% sobre o saldo do FGTS ao empregador, configurando a chamada rescisão fraudulenta.

Tal ato, muitas vezes por motivos relevantes, era feito por iniciativa do empregado visando ter acesso ao FGTS e o recebimento do seguro-desemprego, uma vez que se pedisse demissão não teria direito a esses direitos.

Contudo, a rescisão contratual por comum acordo entre as partes, “regulamentada” pela Lei n.º 13.467/2017, confere ao empregador uma demissão menos onerosa, em razão da multa de 40% ter sido reduzida pela metade, ou seja, é mais vantajoso dispensar o trabalhador nessa modalidade do que demiti-lo.

Desta forma, as chances de não ocorrerem mais demissões sem justa causa são altíssimas, uma vez que a empresa, detém o poder de hierarquia sobre o trabalhador, podendo, assim, coagi-lo a aceitar a rescisão contratual por “comum acordo”.

Assim, nas demissões consensuais deverá sempre ser observado o princípio da primazia da realidade, no qual os fatos devem prevalecer sobre os documentos, isto é, vale o que realmente aconteceu e não o que está escrito.

Cabe ressaltar, que poderá haver a alegação de que no caso da recusa do empregado em assinar a demissão em comum acordo, o empregador terá a opção de demiti-lo.

Contudo, na prática o empregador poderá utilizar-se de meios para constranger, perseguir e impor sua vontade a aquele trabalhador que não aderir a esse tipo de rescisão.

De acordo com do CAGED –  Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados pelo Ministério do Trabalho no dia 23/03/218, mais de 11.118 demissões por comum acordo foram realizadas nos meses de janeiro e fevereiro.

Diante dessa possibilidade, a fim de garantir segurança e proteção ao empregado para que ele, por livre e espontânea vontade, possa manifestar se concorda ou não.

Além disso, cabe ao sindicato profissional assisti-lo no momento da rescisão do contrato de trabalho por mútuo consentimento.

Sendo assim, utilizando-se o Código Civil como fonte subsidiária do direito do trabalho, o sindicato profissional deverá verificar as condições de validade da rescisão, de acordo com o disposto no art. 104, in verbis:

Art. 104. A validade do negócio jurídico requer:

I – agente capaz;

II – objeto lícito, possível, determinado ou determinável;

III – forma prescrita ou não defesa em lei.

Nesse sentido é o enunciado nº 59 aprovado na 2º Jornada de Direito Material e Processual realizada pela ANAMATRA – Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho. Vejamos:

59RESCISÃO CONTRATUAL POR MÚTUO CONSENTIMENTO
EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO POR MÚTUO CONSENTIMENTO. OBSERVÂNCIA DOS REQUISITOS FORMAIS E SUBSTANCIAIS DE VALIDADE. A EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO POR MÚTUO CONSENTIMENTO PREVISTA NO ARTIGO 484-A DA CLT SE ENCONTRA SUBMETIDA AO ESCRUTÍNIO QUANTO À VALIDADE FORMAL E SUBSTANCIAL DO TERMO DE RESCISÃO, À LUZ DOS ARTIGOS 138 A 188 DO CÓDIGO CIVIL C/C O ARTIGO 8º, § 1º, DA CLT E DO ARTIGO 9º DA CLT.

Desta forma, a rescisão contratual decorrente de imposição do empregador deverá ser considerada nula, conforme determina o art. 9º da CLT, in verbis:

Art. 9º – Serão nulos de pleno direito os atos praticados com o objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos na presente Consolidação.

Diante do exposto, na existência da rescisão contratual por comum acordo entre empregado e empregador, estipulada nos termos do art. 484-A da Lei 13.467/2017, o trabalhador deverá ser assistido pelo sindicato representante da respectiva categoria, a fim de que possa ser verificada a real vontade do trabalhador, objetivando a coibição da prática do empregador em impor o acordo apenas visando ter menos gastos com as verbas rescisórias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Zilmara Alencar Consultoria Jurídica; Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. A Face Sindical da Reforma Trabalhista: Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Brasília, DF, 2017.

Disponível em: https://www.opovo.com.br/noticias/economia/2018/03/ceara-e-segundo-estado-do-nordeste-com-mais-demissoes-por-comum-acordo.html. Acesso em: 11/04/2018.

 
QUEM PAGA OS ATESTADOS MÉDICOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS
QUEM PAGA OS ATESTADOS MÉDICOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS
MINHA SOGRA MORREU TENHO DIREITO A LICENÇA?
MINHA SOGRA MORREU TENHO DIREITO A LICENÇA?
O QUE É LICENÇA NOJO?
O QUE É LICENÇA NOJO?
QUAL É O CID QUE DÁ JUSTA CAUSA?
QUAL É O CID QUE DÁ JUSTA CAUSA?
ATESTADO DE FILHO VALE PARA MÃE
ATESTADO DE FILHO VALE PARA MÃE
EXCESSO DE ATESTADO MÉDICO GERA JUSTA CAUSA?
EXCESSO DE ATESTADO MÉDICO GERA JUSTA CAUSA?
prazo para entrega atestado médico
Prazo para entrega atestado médico
Estagiário tem direito ao PIS?
Estagiário tem direito ao PIS?

Um comentário sobre “PEDIDO DE DEMISSÃO POR COMUM ACORDO”

  1. Pingback: SALÁRIO MÍNIMO - MEU DIREITO TRABALHISTA

Deixe um comentário